Selic-Banco-Central

Banco Central reduz taxa Selic para 5,5% ao ano, menor valor da história

Na última quarta-feira (18/9), após votação unânime, o Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central) reduziu a taxa Selic em 0,5 p.p (ponto percentual). A taxa era de 6% ao ano e passa a ser de 5,5% após a redução, atingindo seu nível mais baixo na história. A autoridade monetária também emitiu um comunicado informando que se manterá atenta ao cenário político e indicou que há a possibilidade de haver mais cortes ainda este ano.

A Selic é a taxa básica de juros da economia. É um dos mais importantes instrumentos de política monetária que o Banco Central utiliza para controlar a inflação no país. A taxa básica influencia todas as taxas de juros do Brasil, tais como as taxas de juros de empréstimos, financiamentos e de aplicações financeiras.

Esta redução se enquadrou no cenário esperado pelo mercado. Foi a décima quarta vez que houve corte na Selic desde que ela atingiu o seu ápice de 14,25% ao ano (período de julho de 2015 a outubro de 2016). A redução foi impulsionada pelo cenário de inflação controlada, já que a inflação no Brasil está rodando abaixo da meta, com acúmulo de 3,44% nos 12 meses até julho. O alvo do Banco Central é de 4,25%.

Selic pode encerrar o ano em 5%

Na reunião anterior realizada em agosto, a Selic também foi cortada em 0,5 ponto percentual, dando início a um novo ciclo de relaxamento monetário. Durante a reunião, Roberto Campos Neto, presidente do Banco Central, disse crer na possível consolidação de cenário benigno da inflação, sinalizando possíveis cortes de juros nos próximos encontros. As reuniões seguintes do comitê ocorrerão em 29 e 30 de outubro e 10 e 11 de dezembro.

Prevê-se que a Selic chegue a 5% até o final deste ano, de acordo com a estimativa do mercado medida pelo Boletim Focus. Em 2020, espera-se que a taxa básica seja de 5% ao ano ante 5,25% da sondagem anterior.

lixo-curiosidade-1030x515

10 fatos curiosos sobre o lixo no Brasil

industria-ceara-1030x687

Indústria cearense prevê crescimento de até 2,5% em 2019