Notícias

Queda da taxa Selic pode inserir 4 milhões de pessoas no mercado imobiliário

O Banco Central (BC) reduziu a taxa básica Selic de 6,00% ao ano para 5,50% a.a., corte de 0,5 ponto percentual, renovando a nova mínima histórica. De acordo com a Credihome, plataforma online de soluções de crédito para compradores e proprietários de imóveis, a decisão do BC tem potencial para inserir 4 milhões de novos […]
mercado-imobiliario
O Banco Central (BC) reduziu a taxa básica Selic de 6,00% ao ano para 5,50% a.a., corte de 0,5 ponto percentual, renovando a nova mínima histórica. De acordo com a Credihome, plataforma online de soluções de crédito para compradores e proprietários de imóveis, a decisão do BC tem potencial para inserir 4 milhões de novos consumidores no mercado imobiliário e levar a uma taxa média de juros para consumidores finais abaixo dos 7,8% ao ano. “A redução da taxa Selic abre espaço para que novos consumidores tenham acesso ao mercado de crédito imobiliário. Nas nossas estimativas, a cada 0,5 ponto percentual de queda são acrescidos cerca 4 milhões de novos consumidores. Projetamos que com a nova taxa os juros para o consumidor final fiquem entre 7,5% a 7,7% ao ano”, afirma Bruno Gama, CEO da Credihome. De acordo com o executivo, a decisão do Copom reforça os estímulos ao mercado imobiliário que já vem de um movimento de reaquecimento, com as taxas médias para o consumidor final caindo do nível de 11,2% em 2016. “Certamente, seguiremos com a recuperação já vista no primeiro semestre, com crescimento expressivo nos indicadores de vendas de imóveis acima de dois dígitos e em financiamentos cerca de 30% superior em relação ao mesmo período de 2018.

Atração de funding para empréstimos

A queda dos juros também deve trazer efeitos positivos para uma maior captação de funding para operações de home equity, também conhecido como crédito com garantia imobiliária, com a atração de mais investidores por ativos que ofereçam retornos acima do CDI, como é o caso dos Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs), muito usados como fonte de recursos para empréstimos nessa modalidade. “Com a queda da Selic, a busca por retorno para o investidor fica cada vez maior, liberando mais recursos para empréstimos. A oportunidade está nos CRIs que são lastreados por créditos com garantia imobiliária. Essa escassez de ativos que ofereceram rendimento é um fenômeno mundial com o cenário de juros baixos”, lembra Luis Cláudio Garcia de Souza, fundador da Finvest e co-fundador da Credihome. Fonte: Folha Vitória

O Banco Central (BC) reduziu a taxa básica Selic de 6,00% ao ano para 5,50% a.a., corte de 0,5 ponto percentual, renovando a nova mínima histórica. De acordo com a Credihome, plataforma online de soluções de crédito para compradores e proprietários de imóveis, a decisão do BC tem potencial para inserir 4 milhões de novos consumidores no mercado imobiliário e levar a uma taxa média de juros para consumidores finais abaixo dos 7,8% ao ano.

“A redução da taxa Selic abre espaço para que novos consumidores tenham acesso ao mercado de crédito imobiliário. Nas nossas estimativas, a cada 0,5 ponto percentual de queda são acrescidos cerca 4 milhões de novos consumidores. Projetamos que com a nova taxa os juros para o consumidor final fiquem entre 7,5% a 7,7% ao ano”, afirma Bruno Gama, CEO da Credihome.

De acordo com o executivo, a decisão do Copom reforça os estímulos ao mercado imobiliário que já vem de um movimento de reaquecimento, com as taxas médias para o consumidor final caindo do nível de 11,2% em 2016. “Certamente, seguiremos com a recuperação já vista no primeiro semestre, com crescimento expressivo nos indicadores de vendas de imóveis acima de dois dígitos e em financiamentos cerca de 30% superior em relação ao mesmo período de 2018.

Atração de funding para empréstimos

A queda dos juros também deve trazer efeitos positivos para uma maior captação de funding para operações de home equity, também conhecido como crédito com garantia imobiliária, com a atração de mais investidores por ativos que ofereçam retornos acima do CDI, como é o caso dos Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs), muito usados como fonte de recursos para empréstimos nessa modalidade.

“Com a queda da Selic, a busca por retorno para o investidor fica cada vez maior, liberando mais recursos para empréstimos. A oportunidade está nos CRIs que são lastreados por créditos com garantia imobiliária. Essa escassez de ativos que ofereceram rendimento é um fenômeno mundial com o cenário de juros baixos”, lembra Luis Cláudio Garcia de Souza, fundador da Finvest e co-fundador da Credihome.

Fonte: Folha Vitória

Você também pode gostar
Notícias
Como organizar finanças pessoais e realizar os seus sonhos?

Você sabe como organizar finanças pessoais para realizar seus sonhos? O bom gerenciamento dos recursos financeiros é fundamental, pois poderá proporcionar um melhor aproveitamento do dinheiro que você tem disponível, o que, consequentemente, vai te ajudar a alcançar seus objetivos. No entanto, por diferentes motivos, muitas pessoas não conseguem fazer a gestão das suas próprias […]

melhores-cidades-para-morar-no-ceará
Cidade Inteligente
4 melhores cidades para morar no Ceará com a família

O fato é que alguns municípios contribuíram para esse status cearense. Mas, quais seriam as melhores cidades para morar no Ceará? Conheça agora quais são!

segurança em casas
Uncategorized
Segurança em casas: confira como fazer uma avaliação correta

Para quem deseja comprar um imóvel, sem dúvida, a segurança em casas é um fator que não pode ficar de fora. Afinal de contas, morar em um ambiente seguro é fundamental para ter qualidade de vida e toda a tranquilidade necessária para viver bem com a família. Além disso, viver em um lugar seguro é um aspecto importante para manter […]

Descubra o viver além de morar.
Mande uma mensagem
Descubra o viver além de morar