Ministério de Minas e Energia lança estudo sobre cidades inteligentes e sustentáveis e destaca as Smart City Laguna e Natal

O Ministério de Minas e Energia, através da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), lançou o estudo “O que são cidades inteligentes e sustentáveis? – O papel das cidades no uso da energia” que  destaca a Smart City Laguna e a Smart City Natal como exemplos de cidades inteligentes no Brasil, em virtude da grande repercussão na imprensa.

Segundo o Ministério de Minas e Energia, a temática Cidades Inteligentes e Sustentáveis tem suma importância na compreensão do futuro do uso de energia nas cidades. Por isso, a EPE laçou uma série de informes técnicos para debater aspectos importantes no contexto da energia. Este primeiro informe busca iniciar tal debate, ao trazer os primeiros aspectos conceituais sobre o tema.

O trabalho cita que  “outros destaques que têm ganhado notoriedade nos meios de comunicação nacional referem-se a inciativas para a construção de ambientes urbanos tais como Smart City Laguna no estado do Ceará, ou Smart City Natal no estado do Rio Grande do Norte. Muito embora grande parte dos objetivos, como maior eficiência dos serviços urbanos; aumento da qualidade de vida dos cidadãos e desenvolvimento urbano sustentável sejam divulgados como propostas de valor para estes projetos urbanos, a sua concepção parece restrita a um rol de soluções apresentada pela iniciativa privada.”

O estudo reconhece que uma “cidade inteligente” é um passo necessário, mas não suficiente, e que é preciso abranger mais do que a aplicação inteligente de tecnologia nas áreas urbanas. A adoção de tecnologia deve tornar as cidades mais sustentáveis, melhorando a qualidade de vida de sua população e sua relação com o meio ambiente.

Clique aqui para ler estudo na íntegra

Terrenos a venda em local seguro

Rede de fibra óptica do Ceará atrai investidores privados para elaboração de cidades inteligentes

Obras super avançadas na Smart City Natal

Planet Smart City lança Black Friday antecipada com descontos de até R$ 15 mil nos lotes residenciais