Featured post

Planet Smart City firma parceria com a ONU-Habitat para melhorar a qualidade de vidas nas favelas

Empresa proptech fornecerá ferramentas digitais e de gestão social e modelo de inovação social para ajudar a melhorar a vida nos assentamentos informais

A Planet Smart City, líder global em moradias inteligentes a preços acessíveis, e o Programa das Nações Unidas para os Assentamentos Humanos (ONU-Habitat) – agência da ONU responsável por promover cidades e comunidades social e ambientalmente sustentáveis – se uniram em uma parceria para oferecer soluções inovadoras para favelas.

A parceria se concentrará inicialmente em Kibera e Mathare, dois dos maiores e mais antigos assentamentos informais de Nairóbi, no Quênia (África). O projeto reúne a Planet Smart City e o Programa Participativo de Atualização de Favelas (PSUP), uma iniciativa da parceria do Grupo de Estados da África, Caribe e Pacífico, com a Comissão Europeia e a ONU-Habitat.

A Planet Smart City usará sua expertise em tecnologia, análise de dados e engajamento da comunidade, juntamente com a experiência técnica da ONU-Habitat em atualização de favelas, para implantar soluções digitais que capacitem as favelas a coordenar iniciativas lideradas localmente para melhorar as condições de vida.

“É empolgante compartilhar a nossa experiência com a ONU-Habitat a serviço de comunidades onde nossas inovações e conhecimentos podem ter um efeito transformador. Com as cidades africanas crescendo em 40.000 pessoas todos os dias, a necessidade de casas seguras, confortáveis e preços acessíveis é iminente. À medida que continuamos a desenvolver novos insights sobre o desenvolvimento de comunidades, esperamos expandir os serviços que oferecemos aos mais variados países”, explica Giovanni Savio, CEO Global da Planet Smart City.

No centro da iniciativa está o Planet App, a plataforma desenvolvida pela Planet que atuará como um hub digital para o envolvimento da comunidade. Por meio do aplicativo, os moradores das favelas poderão acessar notícias e serviços, incluindo informações sobre prevenção de doenças, além de reservar serviços nas unidades de saúde e emprestar ferramentas e equipamentos compartilhados. Além disso, o aplicativo servirá como uma plataforma para a coordenação local, permitindo que os residentes organizem iniciativas coletivas e visualizem um calendário de atividades e cursos.

“Todos nós da Planet estamos muito contentes em trabalhar com a ONU-Habitat para garantir que a revolução digital na África seja inclusiva. As favelas são cheias de potencial e se dermos a elas as ferramentas, essas comunidades podem ser catalisadoras de transformação no longo prazo”, destaca Alan Marcus, diretor de estratégia digital da Planet Smart City.

“Com o momento COVID-19, todos nós precisamos fazer parte de uma missão maior para melhorar as condições de vida dos mais vulneráveis em nossas cidades. Isso não funcionará sem a contribuição do setor privado”, explica Kerstin Sommer, gerente do Programa Participativo de Melhoramento de Favelas da ONU-Habitat.

Planet App e Inovação digital

Desde 2008, o PSUP trabalha para alcançar a Agenda de Desenvolvimento Sustentável, em particular o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 11.1, que, até 2030, visa garantir o acesso de todos a moradias e serviços básicos adequados, seguros e acessíveis, além de melhorar as favelas. Essa parceria usará a ampla experiência do PSUP na atualização de favelas e coletará lições aprendidas ao alavancar o envolvimento do setor privado para melhorar as condições de vida de um bilhão de moradores de favelas em todo o mundo.

“Construímos nossa empresa com base em duas crenças fundamentais: o direito fundamental de todas as pessoas a um lar inclusivo, seguro e sustentável, e a convicção de que, por meio de tecnologia inteligente, digitalização, infraestrutura resiliente e planejamento urbano inteligente, podemos tornar isso realidade. Do Brasil à Itália e à Índia, não apenas desenvolvemos maneiras inovadoras de beneficiar a vida de nossos moradores, como também aprendemos sobre a melhor forma de envolver as pessoas em um processo de melhoria contínua”, ressalta Giovanni Savio.

Essencial para o objetivo de obter, a longo prazo, a independência financeira dos moradores das favelas, o Planet App também será implantado para apoiar o empreendedorismo local, oferecendo uma plataforma para os moradores coordenarem e promoverem seus serviços nas comunidades e na área mais ampla ao redor do favela. Também pode ser usado para conectar membros com oportunidades de emprego e treinamento em Nairóbi.

Por meio dessa parceria, a Planet também apoiará as comunidades no desenvolvimento de um hub comunitário onde eventos e atividades podem ocorrer. A Planet e a ONU-Habitat trabalharão em colaboração com parceiros locais, líderes comunitários e ONGs, como a Shining Hope for Communities e a Slum Dwellers International (SHOFCO), para coletar e analisar dados sobre as necessidades dos moradores. Isso permitirá que as organizações se envolvam em colaboração com as pessoas no design e na implementação de novos serviços e recursos da comunidade.

“A África está no meio de uma das mais emocionantes metamorfoses tecnológicas do mundo, com o Quênia no centro desse movimento. O país já é líder mundial em penetração de dinheiro móvel, em que contas bancárias são viabilizadas pelo celular, e a conexão a serviços móveis aumentou de 30% da população em 2009 para mais de 50% no ano passado, segundo o relatório de março de 2020 do GSMA*. A inovação está transformando vidas no Quênia”, explica Alan Marcus.

A análise dos dados e a adaptação do aplicativo serão apoiadas pela equipe do PSUP, em coordenação com a experiente gestora social da Planet, Elena Fabris. Seu objetivo será envolver as pessoas e capacitar suas iniciativas, utilizando ferramentas digitais. Essa abordagem participativa permitirá que as favelas evoluam de acordo com as prioridades locais e com um alto grau de envolvimento da comunidade.

GSMA, março de 2020.

Foto: Mathare (Nairóbi, Quênia). ©UN-Habitat/Kirsten Milhahn

 

 

CAIXA reduz juros para compra de terreno e construção

Ampliação da ZPE deve receber primeiras indústrias esse ano